MP recebe primeira denúncia de vítima do Pará contra o médium João de Deus

Fonte : MPPA

O Promotor de Justiça e coordenador do Núcleo de Enfrentamento à Violência contra a Mulher (NEVM), Sandro Garcia de Castro, recebeu na manhã desta segunda-feira (17), a primeira denúncia de uma vítima paraense do médium João de Deus.

A vítima é jovem e teve sua identidade preservada em função da denúncia. Em seu depoimento ela disse que sofreu assédio do médium em 2017 durante uma visita à casa Dom Inácio de Loyola, localizada na cidade de Abadiânia, onde o João de Deus realizava atendimentos espirituais. De acordo com a vítima, o médium argumentou que sentia que havia algo errado com ela e que a mesma precisava de atendimento individualizado.

Ela foi levada para uma sala e quando percebeu o que estava acontecendo interrompeu o médium e conseguiu sair da sala. Constrangida, a vítima preferiu se preservar e preservar a família e por isso não denunciou o caso. “Ela revelou que ficou com medo da reação do médium, que é uma pessoa influente e de poder econômico. Mas agora que ela viu que não era a única vítima resolveu procurar o Ministério Público”, disse o Promotor Sandro Garcia, que tomou o depoimento da vítima.

O Promotor destacou que os relatos da vítima paraense são condizentes com os das demais vítimas de João de Deus. A vítima relatou ainda que já era frequentadora do centro espírita há alguns anos. A primeira vez que ela esteve em Goiânia foi em busca de atendimento para um parente que estava adoentado e depois continuou frequentado o local até 2017, quando foi assediada por João de Deus.

O Promotor Sandro Garcia esclarece que o Ministério Público do Pará não tem atribuição para atuar especificamente no caso em razão dele ter ocorrido em outro Estado. Porém, o MPPA está irmanado com a força-tarefa do Ministério Público Estadual de Goiás no intuito de obter o máximo de provas possíveis e encaminhar para a força-tarefa do MPGO que apura o caso.

“Inclusive, a vítima que procurou o MP declarou ter conhecimento da existência de outras vítimas do médium. Os relatos nesse sentido vieram de pessoas que participam de grupos espíritas. A vítima crê que essas pessoas estejam temerosas e constrangidas, o que é perfeitamente compreensível mas é importante destacar que todas as denúncias serão mantidas em total sigilo. As vítimas podem vir tranquilamente ao MP que serão atendidas com sigilo completo”, garantiu o Promotor Sandro Garcia.

Serviço: Pessoas que foram vítimas do médium podem procurar o Núcleo de Enfrentamento à Violência contra a Mulher do MPPA que funciona de 8h às 14h. O NEVM fica localizado na Rua Ângelo Custódio, nº 85, entre rua Joaquim Távora e rua João Diogo.