Suspeitos de dar apoio a bando, que assaltou banco em Pacajá são presos

Fonte : Fonte: Polícia Civil

A Polícia Civil prendeu, na terça-feira (07), três homens reconhecidos por envolvimento no assalto a banco ocorrido na madrugada de ontem, em Pacajá, sudeste paraense. Cleiciano da Silva Souza, de apelido Pasteleiro; Romis Teixeira Cardoso e Claudio Evandro da Silva Souza são acusados da dar apoio logístico ao grupo de assaltantes que usou armas de fogo de grosso calibre e explosivos durante a ação criminosa. Ao serem presos, os três foram flagrados com drogas e armas de fogo. O delegado Sandro Rivelino, titular da Superintendência da Polícia Civil na Região do Lago de Tucuruí, que abrange o município de Pacajá, informou que as prisões resultaram de investigações iniciadas pelas equipes de policiais civis da Delegacia de Pacajá e do Núcleo de Apoio à Investigação de Altamira (NAI), enviado ao município logo após a comunicação do assalto ao banco.

"Os policiais iniciaram uma dura perseguição aos autores do assalto na modalidade 'vapor', diligenciando no rastro dos vestígios deixados para trás pelos assaltantes, assim como por meio do relato de populares. Fortes indícios apontaram para a participação do trio que foi reconhecido como os homens que estariam praticando o assalto na cidade ou sendo eles os que davam apoio logístico aos assaltantes", explica. Segundo o delegado, eles foram reconhecidos na rua pela guarnição da Polícia Militar e trazidos à Delegacia de Pacajá. Outros dois homens que acompanhavam os três acusados também foram conduzidos à Delegacia.

Dentre eles, Marco Antônio Oliveira, que estava conduzindo uma moto com registro de roubo/furto, foi autuado em flagrante por receptação. Os outros dois homens prestaram depoimentos e foram liberados. Cleiciano e Romis foram autuados em flagrante por tráfico de drogas e associação ao tráfico. Na casa de Cleiciano, na zona urbana de Pacajá, os policiais civis solicitaram permissão para entrar e encontraram no forro da casa cerca de 1 quilo de cocaína. Os policiais apuraram que a droga pertencia a Cleiciano e a Romis. O outro acusado, Cláudio Evandro da Silva Souza, vai responder por posse ilegal de arma de fogo, pois ele possuía em sua casa duas armas sem registro - uma calibre 38 e outra calibre 22.